2008-10-27

CRÓNICA DAS CHICAS BLOQUERAS

Com o Rocódromo fechado o pessoal faz o que pode para aliviar a tensão dos dedos. A semana passada eu e a Rita decidimos começar a treinar na Torre de Monsanto. Apesar da chuva apertámos forte e feio na resina e ainda inventámos umas linhas.

No fim-de-semana, como não pudemos juntar-nos à malta do bloco que rumou em procissão até à Serra da Estrela, optámos por uma incursão nos Capuchos e na Peninha onde fizemos alguns encadeamentos e deixámos alguns projectos na mira para a próxima visita.

Desta vez não fiquei com as mãos tão maltratadas. Felizmente! Resolvi seguir o conselho do Pena “no pain, no gain”! Só me resta apertar forte!

Claro que a vida fica facilitada quando temos alguém do nosso nível com quem treinar, pois quando treino com os duros só tenho companhia nos blocos de aquecimento. Acho que a “picardia” entre mim e a Rita promete muitos encadeamentos para as Chicas Bloqueras!

Aqui ficam algumas fotos e um filme da Rita a encadear o Ovo Rachado (6a)


T.





video

2008-10-20

COISAS DE FANÁTICOS


Depois de muitos meses de jejum eis que decido reconciliar-me com a rocha há 2 fins-de-semana atrás. Quem me conhece sabe que a minha cena é mesmo o bloco e por isso no fds passado, na companhia do Gonçalo, Rita, Macau e Mário, agarrei-me aos calhaus como se não houvesse amanhã! Resultado…6 dedinhos (que não viam o granito de Sintra à uma eternidade) ficaram sem impressão digital e em carne viva. Quem de vez em quando sofre destes males sabe o que custa o simples abotoar de um botão da camisa, ou o lavar a louça (uuui…), ou pior lavar o cabelo com 4 dedos e as palmas da mão. No trabalho o desafio é mesmo pegar na caneta para escrever qq coisa sem que os outros reparem na figura anormal que fazemos. Este fds, ao ver os dedos recuperados, volto à carga e lá vou eu mais o Gonçalo para Sintra blocar à murte! Desta vez tivemos a companhia de 2 verdadeiros fanáticos, a Isabel e o Nuno, acabadinhos de chegar do aeroporto. Juntou-se-nos o Dani, um estudante madrileno que andava por ali. Contas feitas foram 7 dedos à vida, mas as lesões não são tão graves pois acho que ganhei um bocadinho de calo da outra sessão.

Curioso, este é o meu segundo post aqui, e precisamente agora que tenho de escrever com 2 dedos, ele há coisas… Já agora outras curiosidades para terminar: sabem o que é que um escalador fanático como o Nuno Pinheiro faz para recuperar do fuso horário? BLOCA! E o que é que uma escaladora fanática como a Isabel Boavida faz para curar uma gripe? BLOCA!

Já eu, começo a achar que a maneira mais rápida de ganhar calos nos dedos para blocar é mesmo fazer como o meu avô…cavar a terra com uma enchada! Sim, porque nem todos nascem com uma dupla pele como o Pena que parece nunca abrir feridas nos dedos por mais que bloque.

Nuno no Afroman













Teresa no Metro













Gonçalo na Travessia LaGard...













Isabel na Fenda Careca

Etiquetas: , ,

2008-10-11

Eiger wall video

video

2008-10-07


EIGER WALL - 320m 6b - 1ª repetição

Este domingo após um ano a picar o João Pedro para ir à Arrábida fazer uma via aberta pelo Paulo Roxo na falésia do Píncaro - a maior falésia costeira de portugal continental, lá conseguimos nos juntar para o fazer . Decidimos ir no sábado ao final da tarde de modo a evitar o calor e fazer ainda o reconhecimento do inicio da via, com o objectivo de dormir aí e no dia seguinte escalar a via. Acabamos por dormir mais a Ardena (uma amiga) numa casa de pescadores situada no extremo norte da idílica baía onde se situa a falésia, no dia seguinte esperava-nos uma épica aventura que duraria 11h de escalada desde o início até ao fim dos rappéis. No domingo acordamos tarde e com uma grande ressaca devido a uma noite de festa ao ar livre para nos preparamos psicológicamente para o épico do dia seguinte, já com o pequeno almoço tomado e o material separado dirigimo-nos para a parede. Desde o primeiro largo de escalada aprecebemo-nos que o estado da rocha implicava um cuidado acrescido na forma como escalavamos e só as proteções fixas deixadas pelo Paulo Roxo nos deixavam um pouco mais calmos, pois nalguns largos posso afirmar só conseguimos pôr duas proteções devido à impossibilidade de proteger ou devido ao mau estado da rocha. No terceiro largo de escalada acabei por cair com um televisor na mão, e assustado com a precariedade da rocha ainda pensamos na reunião em abandonar, mas não, estavamos ali após tanto tempo que haviamos combinado esta escalada que decidimos continuar e superar as adversidades desta parede que a pouco e pouco se vai revelando cada vez mais intrigante e as semelhanças com o Eiger são curiosas, a travessia do 4º largo parece-se com a travessia Hinterstoisser e a rampa do 5º largo como o 1º neveiro da norte clássica, o diedro do 6º largo lembra a fissura difícil, e o 7º largo o pilar descomposto, no crux da via o João Pedro manda uma queda ao tentar descansar num entalador mal posto que acaba por saltar só parando num entalador fixo que o Paulo Roxo deixou martelado numa fina fissura, outro pormenor curioso e semelhante à norte clássica são algumas cordas fixas colocadas em alguns pontos onde a rocha é muito má; após uma ligeira travessia para a esquerda acabamos por atingir o topo da falésia rodeado de vegetação densa e pequenos arvoredos onde acabamos por descobrir uma corda passada numa árvore que é o rappel que acabamos por substituir com duas fitas tubulares e um mailot, após 8 rappéis já na escuridão da noite e muitos sustos com quedas de pedras (feri o ombro e uma mão, o joão feriu o pé) lá chegamos por fim à base da parede e com o nosso sonho concretizado apenas nos esperavam mais duas horas de caminhada para o carro.

Foto: Paulo Roxo















P.S: Um grande abraço ao Paulo Rouxo por quem nutrimos uma grande admiração, e de referir que a abertura da eigerwall em solitário por parte do mesmo foi sem dúvida um grande empreendimento.


Ah! e já agora ... se o Paulo Roxo por acaso vos disser que a rocha é de boa qualidade não acreditem!